A Poesia

   

A Poesia penetrou minh’alma

Sem perfurar a pele 

Sem esmagar os olhos

Sem dilacerar o coração

Apenas destruiu minha antiquada visão.

            (Majal-San)

            03  12  2004

Reação evidente

Não aponte o dedo na cara do cara.

A cara é dura!

O cara nem tanto!

Dedo flexível.

 

 

Não pule o muro – tal obstáculo.

O muro é frágil!

O muro é alto!

Queda previsível.

 

 

Não feche os olhos ao tão óbvio.

Os olhos reais!

O olhar tão falso!

Ação invisível.

 

 

A cara se quebra!

O muro desmorona!

Os olhos desvendam!

Reação iludível.

 

(Majal-San // 08.02.2019)

Tua humana boca soberana – minha inspiração insana

 

Os teus lábios estão em meus sonhos,

Os meus sonhos persistem nas madrugadas,

As minhas madrugadas são curtas.

 

O teu sagrado sono tento não perturbar,

Meus sonhos trazem a Poesia aguardada,

Minha poesia espontânea te insulta.

 

Os teus lábios desejo quando acordado,

Os meus sonhos desejo realizar,

Mas, nossas tardes são tão curtas.

 

O teu sono, talvez, de novo perturbarei…

Nos teus sonhos, talvez, estarei a poetizar,

Porém, a realidade a minha poesia oculta.

 

                                      (Majal-San // 15  09  2018)         

 

Impressões

11146222_644840762314002_2330013301533002007_n

Quero a tua presença em meu sonho

Quero as tuas digitais em minha pele

Ao teu dispor eu me ponho

Antes que a loucura se revele

 

Eu quero o teu grito tão oculto

Que aos meus ouvidos permaneça

E que esse louco seja o vulto

Que habitará a tua cabeça

 

Sei que estarei em teu sonho

Mesmo antes que o ato se rebele

Minhas digitais eu te proponho

Na suavidade de tua pele.

(Majal-San // 27.03.2016)

 

CONTRAFEITO

download

Estacionaste ali tão calada,

Movimentos reduzidos – imploras.

Hoje sinto saudades da guinada

Que por ausência tu choras.

 

Mas teu sorriso teima em ressurgir

Que em mim torna-se pranto.

Impotente tento fingir

Em implícita poesia, o canto.

 

Desvio rápido, a visão

Para não demonstrar meu sofrer,

Explodindo oculto, o coração

Sabedor de que posso te perder.

 

A qualquer momento partirás

E nem um adeus poderei ouvir,

Mas logo ao meu lado estarás

Mesmo que eu não queira partir.

                        (Majal-San // 20 10 2005)

Cinquenta

12779100_1673958606211658_2356382492709695372_o
Parque Municipal – Maceió

(Majal-San) // 18.10.2016)

Meio século

Meio incerto

Meio torto

Meio reto

Meio tonto

Meio esperto

Meio ausente

 

Meio tenso

Meio quieto

Meio penso

Meio ereto

Meio sonso

Meio feto

Meio ausente

 

Meio ido

Meio vindo

Meio solto

Meio falso

Meio réplica

Meio inédito

Todo ausente.